Jornalista que fundou curso da UFSC resenha livro da Construtores de Memórias

Cesar Valente postou no Facebook crítica ao livro “Minha vida em direção ao mar”
A primeira edição de Minha Vida em Direção ao Mar completa um ano neste mês de janeiro. O livro da Editora Construtores de Memórias, especializada em biografias sob encomenda, narra a história da gaúcha Ivete Terezinha Volkmer Gemelli, ex-servidora do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, falecida em 2011 por conta de uma leucemia.

Em 12 meses, a obra ganhou destaque na imprensa catarinense, rendeu retornos positivos dos leitores – a ponto de motivar uma segunda edição -, e vem ganhando um público que não tinha relação direta com a biografada.

Surpresa gratificante, pois era mais do que esperávamos. A primeira tiragem foi distribuída gratuitamente pelo marido de Ivete, Aires Euclides Gemelli, para amigos e familiares, pessoas que conheciam a luta da personagem para se manter viva, seguir com a carreira de psicóloga e desfrutar um pouco mais da convivência do filho Vitor, que tinha apenas 4 anos quando ela morreu.

Os amigos e familiares, naturalmente, se emocionaram muito ao lembrar da Ivete. Pessoas que não tinham o hábito da leitura, diziam terem devorado as 176 páginas em uma noite. Em outra casa, o livro passou das mãos do pai para a esposa, filhos, genros e noras – e até a vizinha pediu o exemplar emprestado.

Mesmo alertado de que eram feedbacks influenciados em grande parte pela relação próxima com a personagem, o Aires insistiu em compartilharmos a história com mais pessoas, vendendo o livro em livrarias.

Foram dois lançamentos no segundo semestre de 2018 e centenas de vendas.

Tivemos bons indícios, mas o livro ainda carecia de uma opinião isenta e profissional. Foi a partir desta necessidade que o autor, Marcone Tavella, submeteu a obra ao “crítico dos críticos” catarinenses, Cesar Valente, jornalista com mais de 40 anos de carreira nas mais variadas funções, ex-integrante da comissão que criou o Curso de Jornalismo da UFSC, em 1979.

O texto, colado aqui na íntegra, indica que o livro tem os méritos necessários para conquistar um público mais amplo do que aquele que imaginávamos há um ano. Ao mesmo tempo, as palavras generosas do astuto colunista do De Olho na Capital (Diarinho) nos motiva, como editora especializada em biografias sob encomenda, a continuar em busca de novas e boas histórias.

A SUA VIDA DARIA UM LIVRO?

Por Cesar Valente

A gente está acostumado a ver filmes que foram feitos baseados em livros que contam a vida ou episódios da vida de pessoas comuns que, na tela, parecem extraordinárias. Mas não é comum encontrar, por aqui, livros bem escritos que contem histórias da nossa aldeia.

A proposta da editora Construtores de Memórias, dos jornalistas Marcone Tavella e Aline Torres, é escrever biografias sob encomenda. Eu sei, tem vários colegas fazendo isso. Alguns até ganhando bom dinheiro contando vida de famosos e bem sucedidos empresários. Mas, o que eles produzem foge do que estamos acostumados a ver.

Acabei de ler o livro mais recente da editora: “Minha Vida em Direção ao Mar”, que conta a história de Ivette Terezinha Volkmer Gemelli. Quem? Exatamente, uma pessoa comum, como tantos de nós, que nasceu no interior, teve uma infância rural e veio para Florianópolis para estudar e trabalhar. Não ficou famosa fora do círculo de amigos, parentes e colegas de trabalho mas sua luta, desde os primeiros tempos, a infância na roça, a juventude numa pensão da Trindade, a construção da sua carreira, circulando por ruas que a gente conhece, enfrentando os problemas comuns a tantos alunos da UFSC, o esforço para se manter e melhorar na profissão (formou-se em Administração e Psicologia), aparentemente não tem nada de extraordinário e é isso que torna a história fascinante: é um pouco da história de todos nós. Todos nós conhecemos uma Ivete. Isso quando não nos identificamos completamente com ela.

Claro que o texto do Marcone Tavella, a construção da narrativa, ajuda bastante porque prende o leitor e o conduz, fazendo-o mergulhar na história, admirar as voltas que a vida dá, envolver-se nos dramas e se emocionar com o desfecho trágico. Um diário, mantido pela Ivete durante 25 anos, foi a base sobre a qual a pesquisa foi feita, conversando com parentes e amigos.

Tomara que surja mais gente comum disposta a contar suas histórias ou de sua família. Mais do que nunca, estamos necessitados dessa conexão com nossos contemporâneos, com a história de vidas parecidas com as nossas, como forma de auto-conhecimento e de melhora na auto-estima. Acho que a Ivete, que trabalhou tanto, estudou tanto, ajudou tanta gente, teve um único filho aos 40 anos e morreu pouco depois, iria gostar da forma como sua vida foi contada, num livro que ela dizia que pensava escrever, mas não teve tempo.

Onde comprar

O livro “Minha vida em direção ao mar” pode ser adquirido nos seguintes locais:

– Livrarias Catarinense do Beiramar Shopping, da Rua Felipe Schmidt e do Continente Park Shopping;
– Livros & Livros, no Centro de Cultura e Eventos da UFSC;
– Sebo da Ivete, na Rua João Pinto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *